Hipnose Criciúma | Terapia de Vidas Passadas


Assista a um vídeo com Médico Americano Brian Weiss sobre Regressão de Memória à Vidas Passadas

Clique na imagem da TV para assistir ao vídeo

Fonte: Globo News


Sobre a Terapia de Vidas Passadas


A Terapia de Vidas Passadas (TVP) é uma abordagem terapêutica, ainda não vinculada à Psicologia e à Medicina, que tem como hipótese fundamental a realidade do renascimento sucessivo, ou a teoria da reencarnação.

A Terapia de Vidas Passadas usa técnicas semelhantes à Hipnose regressiva, que tem como meta regressar no tempo até os primeiros períodos da vida atual – como infância, nascimento e vida intrauterina. A TVP, por sua vez, declara ser possível conduzir o ser humano a estados de consciência anteriores ao nascimento físico e a fase intra-uterina; estados que transcendem a perspectiva de sua personalidade atual. A TVP deriva seu nome da experiência de regressar à vidas passadas, tendo como objetivo o tratamento de outras existências, para o alívio de sintomas físicos e psíquicos.

A Terapia de Vidas Passadas trabalha com o pressuposto de que muitas experiências originárias de encarnações passadas podem ter criado marcas profundas em nosso psiquismo. Essas marcas podem ter sua gênese em momentos determinados durante a vida ou no momento da morte. Com a amnésia pós-nascimento da vida seguinte, nossa memória fica velada, mas as repercussões decorrentes das marcas deixadas de vidas passadas continuam ressoando em nosso ser, gerando múltiplos e variados problemas, como dores, fobias, traumas, angústia, ansiedade, sintomas físicos e emocionais.

Os dois pilares do tratamento da Terapia de Vidas Passadas ou TVP são a catarse e o insight. Catarse é a descarga de energias emocionais e psíquicas não elaboradas e não digeridas do passado recente ou remoto. Insight é uma compreensão súbita e inefável de uma grande verdade sobre nós mesmos, uma percepção panorâmica de nossa condição, algo que muda radicalmente nossa visão de perspectiva. Tanto a catarse como o insight são fundamentais para que ocorra o alívio dos sintomas e o autoconhecimento.

A Terapia de Vidas Passadas é considerada por muitos como uma modalidade expandida da Terapia de Regressão. Porém, vai um pouco além disso. A TVP trata das personalidades do nosso passado reencarnatório, trata de nossos complexos ou sub-personalidades (parte dissociadas do eu atual) e também pode tratar entidades obsessoras ou possessoras.

Alguns autores chamam essas consciências externas ao cliente de “presenças” espirituais. Há muitas evidências clínicas de que boa parte dos problemas enfrentados pelo ser humano sejam reforçados e alimentados pelas “más companhias” espirituais.

O Objetivo da TVP não é apenas conhecer intelectualmente nosso passado além da vida atual. Durante a regressão, entramos num processo mais profundo que nos permite atravessar novamente uma situação, revivenciar, reatualizar os eventos passados e senti-los com grande intensidade, sem no entanto perder a referências de nossa mente objetiva atual e nos mantendo conscientes durante todo o processo. Diz-se que a intensidade da experiência, seja ela física, emocional ou psíquica, é proporcional ao efeito terapêutico. Essa revivência é como um psicodrama, ou seja, uma retomada do drama inicial reproduzido pelo nosso psiquismo.

A TVP pode tratar diversas fases de nossa vida ou vidas passadas. A fase adulta, a adolescência, a infância, o nascimento, a fase intrauterina, o plano de vida, o espaço entrevidas, as vidas passadas, a morte na vida passada, dentre outras possibilidades. É interessante mencionar como os hipnoterapeutas que trabalham com a regressão de idade (sem a hipótese das vidas passadas), muitas vezes ouvem relatos dos seus clientes que aparentam ser reminiscências de vidas passadas.

Mesmo quando encontramos uma aparente causa da queixa do paciente em algum evento da vida atual, como por exemplo a infância, ainda existe a a chance desse acontecimento ter uma origem ainda anterior à infância desta vida. É possível que apanhar de cinto na vida atual possa evocar emoções fortíssimas de uma vida de escravo, quando apanhávamos de chicote.

Assim, dizemos que existem algumas situações traumáticas da vida atual que são reestimuladores de traumas ainda mais antigos.

O paciente que se submete à TVP não precisa ter qualquer crença em reencarnação nem em vida após a morte. Pode mesmo ser cético ou agnóstico, não ter qualquer crença religiosa.

Mesmo assim, os efeitos terapêuticos se fazem presentes. Ou seja, a TVP funciona independente das crenças dos indivíduos. Por outro lado, a TVP é uma terapia mais curta do que as psicoterapias convencionais, mas cada sessão regressiva é mais intensa do que as sessões de psicologia clínica.

Sobre a rapidez da TVP, o psiquiatra Denis Kelsey disse que, comparando seu trabalho (como terapeuta de regressão a vidas passadas e como psiquiatra) com o trabalho de seus colegas, ele afirmou que "Em um período máximo de doze horas de terapia de regressão, eu posso realizar aquilo que um psicanalista demoraria três anos." As palavras de Denis Kelsey refletem a observação de muitos terapeutas que trabalham diariamente com a TVP. Trata-se de uma terapia rápida e eficiente na maioria dos casos.

A Terapia de Vidas Passadas não tem como foco de trabalho a produção de evidências que venham a comprovar a reencarnação. Embora isso seja uma consequência natural do processo terapêutico, não é isso o que se busca. Por outro lado, a TVP nada tem a ver com religiões e os terapeutas são unânimes em declarar que a TVP não herdou conceitos religiosos de nenhuma corrente mística ou confessional, embora existam paralelos muito significativos entre a TVP e certos princípios de algumas correntes religiosas. É preciso dizer que dificilmente uma pessoa conseguirá, através da TVP, a comprovação da realidade das vidas passadas; aqueles que entram na terapia com esse objetivo, podem não a estar buscando pelo motivo correto.

As pessoas procuram a regressão pelos mais variados motivos. Há uma ideia falsa que circula em alguns meios espiritualistas de que a maioria das pessoas procura a TVP por curiosidade, mas esse equívoco é facilmente contestável pela experiência diária dos terapeutas que acolhem as mais diferentes queixas.

Há um percentual extremamente reduzido de indivíduos que buscam a TVP apenas por curiosidade ou para saber quem eram no passado. Uma pesquisa realizada em 1988 por instituições americanas, sendo conduzida por terapeutas como Rabia Clark (1995), Garritt Oppenheim (1990), Hans Ten Dam (1993) e Shakuntala Modi (1998) revelaram que existem alguns motivos mais comuns da procura por esse tipo de terapia. Esses motivos são:

  • Medos e fobias
  • Problemas de relacionamento
  • Depressões
  • Sintomas físicos sem explicação médica ou que não respondem a nenhum tratamento medicamentoso.
  • Problemas sexuais
  • Vícios
  • Obesidade e transtornos alimentares

Fonte: Instituto Terceira Visão